A arquitetura da densidade

Hong Kong. Minúsculos apartamentos se amontoam sufocados por uma selva de concreto. São lares de Wangs, Lees, Cheungs, Lius e muitas outras famílias honconguesas que lutam para encontrar um espaço nos imponentes prédios de Hong Kong. O que poderia parecer um “pesadelo da casa própria” é, na verdade, a realidade de muita gente que vive em cidades com altíssima densidade populacional.

Imagem: Michael Wolf

Estes prédios pixelados são um cenário comum na implacável Hong Kong. Uma cidade que se viu crescendo exponencialmente, mas sem muito espaço para crescer. É uma das muitas enfrentando essa realidade. Se do lado de fora parece um pesadelo, é porque você ainda não viu como é por dentro.

Imagem: Business Insider

Cozinha. Banheiro. Quarto. Tudo no mesmo cômodo. São apartamentos de um pouco mais de três metros quadrados que comportam, muitas vezes, uma família inteira. TRÊS METROS QUADRADOS. Seus habitantes mais comuns são idosos, solteiros e famílias de baixa-renda. O aluguel? Cerca de 25 reais por mês. Parece pouco? Mas para Hong Kong, um dos dez piores países em igualdade econômica, é uma grande despesa.

Imagem: NY Times

A densidade populacional não é a única vilã da história. A especulação imobiliária simplesmente tornou os meios convencionais de moradia inviáveis. As metrópoles atraem pessoas de todo o país. Grandes oportunidades, moradias não tão grandes assim. Mas algumas pessoas já começaram a pensar em como tornar esse tipo de ambiente menos caótico.

Imagem: The Huffington Post

Já pensou em viver em uma máquina de lavar louça? A ideia de habitação que tem a cara de nosso tempo na verdade é um projeto de 1960. Kiso Kurosawa é o nome por trás da Nagakin Capsule Tower, em Tóquio. A estrutura abriga 140 microapartamentos de dez metros quadrados cada. E podem ser reformados individualmente sem problemas. Apesar de este tipo de moradia ser uma tendência em grandes metrópoles, o prédio está em processo de demolição. Mas serve, pelo menos, como inspiração para os próximos projetos.

Imagem: The Huffington Post

Imagem: Inhabitat

Algumas outras metrópoles vivem uma realidade parecida, mas em escalas diferentes. Os microapartamentos de doze metros quadrados em Nova Iorque, por exemplo, já são uma sensação. Vendidos sob a classificação de “apartamento inteligente”, encontram na arquitetura e no design de interiores uma forma de usar o pouco espaço para criar um ambiente, no mínimo, aconchegante.

Imagem: Curbed NY

A verdade é que o crescimento populacional em grandes centros urbanos cria um desafio para a arquitetura: recriar a concepção de moradia com criatividade, funcionalismo e sem perder nossa noção de humanidade. Mais lares e menos jaulas.

Você também pode gostar de