Cortinas para decoração

A escolha da cortina mais adequada nem sempre é uma missão fácil, por serem peças fundamentais na composição dos ambientes e que interferem diretamente na iluminação e no conforto térmico. Servem para equilibrar ou vedar a iluminação natural de acordo com as funções do local, dar privacidade, destacar ou esconder a vista da janela e até diminuir ruídos externos. Para atingir o objetivo desejado é fundamental definir o tipo, modelo, tecido ideal e o que se pretende com aquele espaço.

Foto: A cortina de cor neutra proporciona privacidade e sua transparência além de equilibrar a luz natural permite integração com a área externa.

Neste momento alguns detalhes fazem toda a diferença: o comprimento pode alongar o ambiente e deixa-lo mais requintado; o volume garante maior presença e destaque à cortina; o acabamento assegura o estilo desejado através de elementos como o ilhós, pregas e argolas; enquanto o tecido ajuda a controlar a claridade e manter o local mais fresco e agradável. Em locais mais quentes opte por tecidos leves, por outro lado, onde a incidência de luz for maior, utilize tecidos como algodão grosso, sarjas e veludos. Já em lugares de clima mais frio são indicados aqueles mais encorpados.

Foto: Tecido encorpado e volumoso bloqueia a incidência da luz e transmite requinte. A cortina que se estende por toda a parede e a barra alta permitem melhor acabamento e deixam o ambiente mais aconchegante.

Outra dica importante é sobre adereços nas cortinas, como pingentes, bandos, abraçadeiras, que estão em baixa atualmente, já que a tendência é cada vez mais manter a praticidade e leveza na decoração. A premissa de que menos é mais também se mantem para as cortinas!

Foto: O cortineiro com iluminação está em alta e a cortina azul escura ganha destaque e alonga o pé-direito, garantindo sofisticação ao ambiente (CASACOR – São Paulo 2017).

Para aqueles que são mais tradicionais e tem medo de errar, as cortinas devem combinar com o estilo adotado para o ambiente, considerando as cores, texturas e formatos. Deve-se evitar mesclar tecidos e quando a cortina for o destaque principal do espaço todos os outros componentes do projeto devem ter cores e bases mais neutras.

Se quiser ir um pouco além do habitual, a dica é apostar em estampas sem cor, preta e branca, tonalidades neutras como bege ou ainda seguir a mesmo tom usado em todo o projeto.

 

Foto: Em ambientes mais clean, você pode dar um toque especial e colocar um pouco mais de textura na cortina.

Porém, se você tem personalidade e deseja uma decoração com mais estilo, saiba que nos projetos de design de interiores a cortina estampada está em alta. Marcantes nos anos 1970, estes modelos valorizam qualquer ambiente e têm o poder de criar um visual de alto impacto que influenciará toda a composição.                                                                                                 Outra sugestão é usar estampas gráficas, geométricas e o floral que se encaixam facilmente em qualquer ambiente e decoração.

Foto: Cortinas como protagonista: a estampa floral e o xadrez seguem o mesmo padrão de cores e conceito dos projetos, influenciando toda a decoração.

A regra de ouro é saber dosar a composição e visualizar o ambiente como um todo para que a cortina e o espaço sigam o mesmo conceito e permitam um efeito harmônico.

Fernanda Bernardino

Arquiteta e docente de Design de Interiores do Senac Piracicaba

 

 

Você também pode gostar de