As doenças mentais sob a visão de um arquiteto.

Federico Babina é um arquiteto e ilustrador italiano que traz ao mundo uma visão diferente da arquitetura. Extremamente conceitual, já fez várias séries de pôsteres sobre os mais variados temas, desde como seriam as casas de acordo com os contos infantis até a análise de plantas famosas sob outra perspectiva. Sua mais recente arte vai um pouco mais longe: para o interior do ser humano e da forma só como ele consegue fazer. Mostra em sua visão como seria a casa na mente dessas pessoas.

No Brasil, acredita-se que cerca de 2 milhões de pessoas se enquadram em algum grau de autismo. Para Federico, o autismo não é uma deficiência de ver o mundo, mas apenas uma forma mais complexa e abstrata de vê-lo.

Demência é a perda ou redução progressiva das capacidade cognitivas e afeta grande parte das pessoas acima dos 65 anos no mundo todo. Na visão de uma estruturam seria a perda gradual de sua forma.


Para Federico, a arquitetura mental de uma pessoa com transtorno bipolar do humor (TBH) seria dividida igualmente entre caos e perfeição, felicidade e tristeza, concreto e abstrato.

A depressão hoje é vista com outros olhos pela sociedade. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 5% da população mundial sofrem de depressão e que até 2030 o quadro seja mais comum do que até câncer e problemas cardíacos. Para Federico, uma desconstrução melancólica e incompreendida.

O quadro clínico conhecido por alucinações e delírios é vista por Federico como uma casa fragmentada que ora é real, ora não.

A dislexia é considerada um transtorno específico de aprendizagem. É a dificuldade no reconhecimento preciso ou fluente da palavra. Federico retrata como se fosse uma estrutura com formas semelhantes ao que conhecemos, mas preenchida de forma confusa com enfoque nas palavras.

A vida de uma pessoa com ansiedade parece como se estivesse presa ao sentimento. Para Federico, seria como uma casa repleta de correntes e arames que mostram a contradição entre proteção e isolação.

Quem tem transtorno dissociativo tem dificuldade de perceber a realidade. Pode confundí-la com pensamento, memórias e identidades de outras pessoas. Uma estrutura distorcida que luta para se enquadrar na realidade.

Os olhos do mundo se voltam cada vez mais para a doença degenerativa mais comum entre a população idosa. Federico busca dar visibilidade para o assunto ao mostrar que ela funciona como uma espécie de rachadura que lentamente obscurece tudo que era conhecido.

Quadros de insônia são muitos comuns, especialmente em um mundo onde vivemos constantemente conectados. Para quem sofre de insônia, a linearidade do tempo é constantemente distorcida.

Existem mais de 200 fobias catalogadas, mas todas tem uma coisa em comum: a aversão ou medo a alguma coisa que seria natural para outros. Capaz de tornar até a mais das inofensivas coisas em um verdadeiro pesadelo.

Pessoas que sofrem de transtorno alimentar tem dificuldade de gerir a alimentação em suas vidas. Para Federico, é como se suas próprias estruturas fossem consumidas.

Se a insônia parece como se o tempo não passasse no momento de dormir, a narcolepsia parece como uma eterna noite de sono onde realidade e sonhos se misturassem em uma constante luta por se manter acordado.

A disforia do gênero é sentir um constante incômodo de estar em um corpo o qual rejeita. É como sentir que você não se enquadra no papel imposto pelo sexo que nasceu e, por isso, sente que não é bem-vindo em sua própria vida.

A paranóia é quando suspeitas e preocupações tomam conta da sua vida. Até as mais simples das estruturas viram um labirinto. Onde cada canto pode ser algo esperando para acontecer.

O transtorno obsessivo-compulsivo transforma até as coisas mais simples em um quebra-cabeça. Na arquitetura da mente é uma luta constante para transformar tudo em uma obra complexa e de múltiplas facetas.

Unir arquitetura e ilustração para dar visibilidade a um tema que muitas vezes é visto com preconceitos. Essa é a obra de Federico Babina que desafia nossas próprias mentes a ver de uma forma diferente as pessoas e o mundo.

 

Você também pode gostar de